"Mundos através da Neblina" e as surpresas de Rafael Piergiorge


Livro nacional ótimoSe tem uma coisa que Rafael Piergiorge sabe fazer bem é suspense. A começar pela capa do livro, com uma imagem de um homem em auto-relevo em meio a luzes e sombras, que pouco revela sobre o conteúdo do livro.  A descrição e o trecho apresentado no verso é um convite para embarcarmos em um universo fantástico, sem referências ou sinais do que encontraríamos nesta história. Nem o mapa de Ingnór, que acompanha o livro, revela antecipadamente o talento deste escritor emergente.
Resumindo, eles são monstros e é por causa disso que tenho tanta pressa. A maioria que não conseguiu passar para a Terra está em Cales ou aqui. Alguns são conhecidos como vampiros, dragões e lobisomens, mesmo não parecendo em nada com aqueles que você conhece por contos. A maioria não é problema, porém estou longe de estar em condições de lutar. Acredito que você terá poderes para enfrentá-los antes de mim.                


Nas primeiras páginas somos apresentados à Ismael, um jovem diferente que carrega consigo uma história turbulenta e cheia de segredos a serem revelados, e logo somos conduzidos às suas aventuras alucinantes, em mundos onde seres sinistros podem surgir deixando rastros de sangue ou magia.

No meio do livro, em vários momentos pensei estar lendo alguma obra de Tolkien, tamanha a imaginação e criatividade do autor. Apesar da grande complexidade da trama, as narrações foram bem escritas e a leitura flui com clareza e sem dificuldades. Os poucos diálogos presentes no livro me surpreenderam por transparecerem as misérias humanas (ou não humanas) e outras vezes acrescentar humor.

O livro de 236 páginas parece não ter fim. Quando grandes personagens são mortos e se imagina a conclusão da história, novos personagens são inseridos e novamente o autor nos surpreende com novos mistérios.

A narração de “Mundos através da Neblina” é alternada entre a perspectiva de diferentes personagens como Akiel, Howard, Damian, Berwyn e Leoward, todos muito bem trabalhados. A elfa Ariella é a personagem feminina mais marcante, que torcemos por um futuro romance com Ismael.


“Ele a olhou e disse:- Faça-me um favor também, não chore mais na minha frente – pediu sorrindo, enquanto limpava as lágrimas de Ariella. – Você fica horrível assim.- Como se você fosse o deus da beleza! Rebateu em tom zombeteiro e também sorrindo.- Mas sei que posso ser o deus do seu mundo .”

Entre os cenários que mais me chamaram a atenção foram: Ilha das bonecas (sinistro), Reino dos espelhos (Maneiro) e O Vale das flores (lindo). Foi legal também imaginar os efeitos especiais nos golpes de magia, principalmente a “Extinção de Allonia”, aplicada na luta entre Ismael e Orobog.


Enfim, sugiro que antes de começar a ler “Mundos através da neblina” pegue um copo d’água porque você vai embarcar numa aventura frenética na qual não terá tempo para respirar, com surpresas atrás de surpresas, mistérios e mais mistérios e uma boa dose de sangue. Enquanto eu aguardo o segundo livro chegar para ler a continuação desta incrível aventura!




Autor brasileiro


Sobre o autor: 

Rafael M. Piergiorge


Nascido em Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, em 1987.
Foi criado assistindo aos filmes de Quentin Tarantino, clássicos de Kung-Fu, Indiana Jones, Star Wars e tantos outros símbolos da cultura NERD. Já na adolescência, teve contato com os jogos RPG e descobriu que tinha uma enorme facilidade para construir aventuras.
Em 2010, após ler uma matéria sobre autores brasileiros, decidiu começar seu livro. Durante 3 anos, trabalhou na construção do universo do livro e elaborou pequenos contos sobre os mundos criados. É formado em Ciências Biológicas e mestre em bioinformática. Atualmente, é doutorando do Instituto Oswaldo Cruz.
Fanpage: https://www.facebook.com/mundosneblina



Erica Bosi

Comentários

  1. Oi Erica,
    Nunca li nada dele, mas fiquei curiosa. Adoro um suspense.
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou da postagem? Deixe aqui seu comentário ou sugestão. Sua opinião é muito importante.